As 3 lições do Fórum da Liberdade



Hoje encerrou o 30º Fórum da Liberdade. Apesar de 30 anos ser uma data extremamente significativa, o que mais impressionou no longevo Fórum foi a sua capacidade de renovação e 3 pontos fundamentais que quero comentar a seguir, que são eles: a inexistência de uma democracia verdadeira, o intervencionismo estatal e a batalha perdida. 

Quanto a organização, a quem credito um especial parabéns ao Julio Bratz, coordenador do evento e a toda diretoria do IEE, pela lucidez de incluir as escolas e universidades no cronograma de divulgação, fazendo uma leitura precisa do momento social que vive essa camada. Prova inequívoca do acerto foi a massa absoluta de jovens com idade inferior aos 30 anos. 

Nos excelentes painéis dos dois dias do Fórum, levanto 3 pontos importantes sobre “o futuro da democracia”, tema do evento. 

1: O Brasil nunca viveu uma democracia verdadeira. Ricardo Gomes foi forte nas suas colocações, fazendo um breve histórico do Brasil, que passou de um período oligárquico, para a ditadura Varguista, para populismo de João Goulart, o Regime Militar, a “precisocracia” instaurada com a Constituição de 1988 (segundo Ricardo, regime no qual se olha apenas para quem precisa, dando diretos e benefícios estatais em demasia, promovendo um governo assistencialista) e por fim, culminando na Cleptocracia dos governos Lula e Dilma. 

2: A intervenção do estado faz mal para as pessoas. Em um dos painéis, Fábio Ostermann trouxe inúmeras lâminas comprovando que o Brasil não é e nunca teve uma agenda liberal (contrariando o discurso da esquerda), mostrando que ocupamos o 140º lugar no ranking das economias liberais e capitalistas. Mostrou que regimes mais liberais aumentam a renda da população e o nível educacional. Helio Beltrão complementou, trazendo um interessante comparativo: 

Em 30 anos uma cesta básica de R$ 100,00 de produtos regulados pelo governo passou para R$ 800,00. No mesmo período, uma cesta de produtos regidos pelo livre comércio, sem intervenção do Estado, pulou para R$ 500,00. São números e estatísticas que comprovam que o intervencionismo brasileiro faz mal para o bolso das pessoas. Citando Eduardo Giannetti, precisamos de menos Brasília e mais Brasil. 

3: A batalha perdida. Por fim, o terceiro e fundamental ponto esteve nas falas de Pondé e, ao meu entender, principalmente, Eduardo Wolf. Segundo o filósofo, o que está destruindo as bases da democracia são justamente os movimentos que tentam, através do Estado, instituir igualdades. Quando o Estado passa a subjugar as liberdades individuais para dizer como pensar, se portar ou se expressar, estamos a um passo do fim da democracia. 

O Brasil e o mundo vivem uma patrulha do politicamente correto, onde minorias barulhentas tentam imprimir sua agenda goela abaixo, usando os governos como escudo, criando políticas de cotas, regulando educação de gênero, ditando o que cada um pode ou não usar como estilo e adereços de outras culturas e determinando, através de cartilhas, como o indivíduo deve pensar. 

Esse ponto se entrelaça com a fala do Pondé, quando ele cita que o liberalismo perdeu a batalha e vai sempre perder o jogo retórico pela sua excessiva preocupação com o discurso econômico e de mercado, esquecendo que a arena principal é a cultural, e essa, a esquerda nada de braçadas. 

Não há dúvidas que o futuro da democracia, o futuro de gerações deve estar nas mãos das pessoas, através do livre arbítrio e de suas vocações. Cabe ao estado promover aqueles serviços essenciais, ou garantir o acesso a eles, que são: saúde, educação, segurança e as garantias de uma justiça forte, com leis iguais para todos e relações comerciais estáveis. 


Há muito que avançar. Contudo, ver tantas lideranças jovens palestrando, escrevendo, participando, perguntando e expondo, dá a certeza de que o Brasil está caminhando para o rumo certo. Está mais do que na hora de erradicar o discurso populista e as práticas políticas de distribuições de cheques para relações mais abertas, que valorizem os indivíduos e suas vocações. 

José Henrique Westphalen 

Comentários