Por R$ 1.600.000,00 você pode comprar seu Deputado Federal.



A Democracia está à venda. Por R$ 1.600.000,00 você poderá comprar seu Deputado federal. Se for aprovado o projeto da Comissão Especial da Reforma Política no Plenário, o brasileiro irá bancar, do seu bolso, a campanha dos nobres políticos. Para buscar uma melhor compreensão tamanho da bolada que será sacada dos nossos bolsos, busquei calcular os percentuais do Fundão e ver o quanto iremos pagar para cada Deputado Federal.

Como corte, usei a bancado do PMDB, que está na Presidência da República. (Em tempo, acredito que para PT e PSB o valor é um pouco maior, mas os 3 se equivalem). 

Valor do Fundão é 0,5% da receita corrente líquida, o que daria hoje, R$ 3.6 bilhões retirados da saúde, segurança, educação etc, para ser destinado aos mandatários atuais.

Vejam a Tabela abaixo para compreender como será feita a divisão do bolo: 


Nosso Dinheiro Destinado para o Fundão


Percentual de Distribuição Valor Total


Verbas Públicas Totais  R$3.600.000.000,00
2% entre todos os Partidos  R$72.000.000,00
35% pelo número de Federais  R$1.260.000.000,00
14% pelo número de Senadores  R$504.000.000,00
49% pelo total de votos / Brasil  R$1.764.000.000,00 


Resumindo: 

  • 2% é dividido igualitariamente entre todos os partidos com representação na Câmara Federal (R$ 72 milhões), para cada sigla fica um montante aproximado de R$ 3.130.434,78 (hoje há 23 partidos com representação na Câmara Federal).
  • 35% do valor é pelo número de Deputados Federais (R$ 1.260.000.000). O PMDB possui 63 Deputados Federais, ou seja, 12.3% da representação. 
  • 14% do valor é pela representação no Senado (R$ 504.000.000). Como o PMDB é o maior partido no Senado, com 22 Senadores, ele terá direito a 26.5% dessa verba.
  • 49% restante é pelo número de votos obtidos pelo partido para a Câmara dos Deputados. Em uma conta rápida, a partir de dados do G1 podemos admitir que o PMDB teve 11.6% dos votos.

Conforme a tabela abaixo, os valores destinados ao PMDB nacional seriam: 

Recursos do Fundão para o PMDB


Percentual de Distribuição Valor Total


Verbas Públicas Totais  R$3.600.000.000,00
2% entre todos os Partidos  R$3.130.434,78
35% pelo número de Federais  R$157.500.000,00
14% pelo número de Senadores  R$133.560.000,00
49% pelo total de votos / Brasil  R$199.332.000,00
Total PMDB R$493.522.434,78

E como a Direção Nacional irá se comportar em relação a distribuição desses recursos? 

Hipoteticamente, vamos imaginar que o partido é sério, que tentará ser equanime na distribuição das verbas. 

O Presidente Romero Jucá Irá reservar os 50% por lei que é destinado para candidaturas majoritária (Governador e Senador) e  irá distribuir os 50% restantes que, pela Lei, deve ser fracionado em 30% para os deputados federais e 20% para os estaduais. 

Sendo assim, as campanhas proporcionais (Federais e Estaduais) teriam direito a R$ 246.761.217,99.

Como o Senador Jucá é justo, e compreenderá as diferenças de densidade populacional, importância política etc, e distribuirá 50% igualmente entre os 10 maiores colégios eleitorais e ou outros 50% para o restante dos estados. 

Consideramos que o RS está entre os 10 maiores estados. Então temos a seguinte conta: 

Os 10 maiores receberiam R$ 123.380.608,00. O RS receberia, para a campanha dos seus parlamentares um décimo desse valor, correspondente a uma cifra de R$ 12.338.060,80. 

Porém, desse valor, apenas 60% são para os Deputados Federais, ou seja, R$ 7.402.836,00. 

O PMDB possui 5 Federais e outros 2 suplentes com excelente votação. 

Como o cobertor é curto, o partido deverá permitir, por conta do Distritão, apenas que 8 concorram ao cargo. Os 5 eleitos mais 3 potenciais candidatos. Se o partido for justo com os 8 candidatos, cada um receberá (do seu bolso, caro cidadão) uma quantia de R$ 925.354,50 do Fundão, ou melhor, do seu e do meu bolsão

Vejam que pela atual bancada, cada Deputado Federal do PMDB custaria R$ 1.480.567,20 mais o valor das passagens aéres, verbas de gabinete, gasolina, celular, CCs, diárias etc. Brincandinho um deputado do PMDB custa ao seu bolso R$ 1.600.000,00. 

Não por acaso, a declaração de contas de campanhas ao TSE do eterno deputado Darcísio Perondi foi de R$ 1.792.298,00 em despesas. 

Vamos comparar alguns dos investigados nos esquemas de Caixa 2? 


Darcísio Perondi (PMDB): R$ 1.792.298,00
José Otávio Germano (PP): R$ 2.906.256,84
Jerônimo Goergen (PP): R$ 2.754.723,39
Paulo Pimenta (PT): R$ 1.978.720,00
Maria do Rosário (PT): R$ 1.294.194,03. 


Veja que trouxe um comparativo entre deputados que estão arrolados em alguns escândalos de corrupção ao longo desses últimos anos (comprovados ou não, não estou fazendo juízo da moral ou se são ou não culpados, apenas é o que a mídia fala). 

Todos tem gastos altíssimos e, ao que observamos nas notícias, todos receberam enormes quantias no Caixa 2, que não entra nessa contabilidade oficial. 

Há relatos, que não tem como comprovar, pois são histórias contadas por cabos eleitorais e apoiadores, que a média de gastos desses parlamentares cruzou os R$ 3.5 milhões. Mas até ai, é especulação. 

Comentários