Tiffany: o Brasil que não deu certo.


Tiffany é a cara do Brasil que não deu certo. Afirmo isso, não por ela ser uma transexual ou por sua opção sexual e de vida, esse é o menor dos problemas, afinal, cada pessoa deve ter a inteira liberdade sobre seu corpo e pensamentos. 

Tiffany é a cara do Brasil que não deu certo porque ela representa a absoluta falta de limites, bom senso e inversão de valores da sociedade brasileira. É um Brasil que julga mais importante a pauta política e o “lacre” do que as implicações práticas. 

Um país, que para “empoderar” a causa LGBT aceita que um homem jogue na liga feminina às custas das próprias mulheres.

Um homem, que há poucos anos disputava campeonatos com marmanjos dotados de um físico que eu sequer sonho em ter, tamanho esforço físico, dedicação e anos de treino e suplementação para constituição física de um atleta de alto desempenho.

Tiffany, infelizmente, está prestando um desserviço para a causa LGBT e para o Feminismo que busca, de forma verdadeira, o fim do preconceito e a equiparação social. 

O Brasil que não deu certo está fundado nas raizes do marxismo, da destruição dos valores morais e da sociedade, na tomada pela esquerda das “pautas de minorias”, que mais servem para palanque do que para um real enfrentamento dos problemas sociais. 

Essa total falta de limites, valores e bom senso estão impregnadas em todas as camadas do tecido tecido social, esse é o grande problema brasileiro. 

  • O Brasil que não deu certo é o Brasil que torna pop uma Drag que canta pior que uma taquara rachada, somente por ela ser uma Drag; 
  • O Brasil que não deu certo é o Brasil que tenta impor que a laje, o biquíni de fita isolante, o tráfico e os filhos sem pais do morro carioca é normal e é o retrato do país;
  • O Brasil que não deu certo é o Brasil que tenta fazer valer uma agenda a força, sem respeito por leis, regras ou limites;
  • O Brasil que não deu certo é o Brasil de leitores de títulos de matéria, que saem praguejando sua fé sem ao menos entender razões e contradições; 
  • O Brasil que não deu certo é o Brasil que defende regimes sanguinários e ditatoriais, como o Venezuelano; 
  • O Brasil que não deu certo é o Brasil que usou dinheiro público para financiar regimes socialistas e beneficiar poucas empresas privadas; 
  • O Brasil que não deu certo é o Brasil que não tem coragem de condenar um ex-presidente corrupto;
  • O Brasil que não deu certo é o Brasil em que líderes partidários declaram na mídia que para prender um bandido precisa “matar gente”;
  • O Brasil que não deu certo é o Brasil em que uma classe privilegiada do funcionalismo público ganha mais que metade da população junta;
  • O Brasil que não deu certo é o Brasil que fala mal do político e nas eleições vende o voto.

Poderia escrever mil linhas sobre o Brasil que não deu certo, que hoje, é retratado na figura da Tiffany, um jogador mediano de vôlei masculino que se tornou craque no voleibol feminino. 

O Brasil do jeitinho, da malandragem e da sacanagem. Esse é o Brasil que a redemocratização conheceu. Esse é o Brasil que a esquerda forjou, nos bancos escolares, nas universidades, sindicatos e funcionalismo público. 

Um Brasil fraco, leniente, corrupto e que prefere o atalho a construir algo que valha a pena lutar.  


José Westphalen 

Comentários

Concordo plenamente tem culta que teve a mente alterada pela fabrica de marionestes da esquerda comunista e pior não se da conta.