Uma luz no fim do trilho



Recentemente dei uma palestra na Associação Comercial de Porto Alegre, na qual analisei as diferentes manifestações que houveram ao longo dos anos no Brasil. Uma das conclusões do estudo, foi a comprovação de que quando há uma pauta específica a ser cobrada e a união das pessoas, as coisas funcionam. 

Cruz Alta, na questão dos moradores da “beira-trilho”, está provando que a tese está correta. 

No último dia 14 de junho os moradores tiveram uma primeira vitória nesse processo. Uma audiência de conciliação na AGU, com a presença do Deputado Perondi, Pedro Westphalen, Prefeito Vilson Roberto, Vereadora Paula Facco, representantes dos moradores, advogadas e outras lideranças conseguiram o compromisso da Advocacia Geral da União em solicitar a suspensão das ações em curso. 

Ou seja, com união e uma pauta específica, os resultados aparecem

Há quem diga que agora vai aparecer “vários pais da criança”, o que é normal, uma causa dessas têm vários pais e mães, não é obra de um só. O que precisamos é separar quem esteve apenas na foto e quem esteve trabalhando para as soluções. E isso, quem está envolvido no trabalho sabe diferenciar. 

Contudo, ao grande público, há muito galo cacarejando por ovo que não é seu. Nos últimos meses, um périplo de parlamentares e partidos esteve na cidade querendo tirar uma casquinha. 

Não sou desses que aparecem em fotos antes das coisas acontecerem, nem fico cacarejando no quintal alheio. Faço a minha parte. 

Nesse ponto, acho pertinente fazer um relato, um breve histórico da minha contribuição nessa causa, pois reconheci neste assunto uma questão de vital importância para o município e venho contribuindo de forma ativa e discreta. 

Como sei que irão surgir vozes maldosas me acusando de oportunista, é importante fazer esse relato e colocar para reflexão das pessoas: 

  • Outubro ou novembro de 2017 conversei com o Dr. Virlei, procurador do município, para entender o caso e fiquei a par da gravidade da situação. Há época, por conhecer várias pessoas que eram ligadas a ALL (Dr. José Westphalen, quando prefeito trouxe a empresa para Cruz Alta), busquei chegar no centro de decisão da empresa de logística, porém, com as mudanças de dono e diretoria, meus contatos já não serviam. 
  • Em dezembro, participei de uma reunião na Câmara de Vereadores, com o prefeito, jurídico do município, com a vereadora Paula, Luirce e os vereadores Pretto e Luis Roberto, em conjunto com moradores e advogados das partes. Lembro que fiz uma análise pertinente, que posteriormente se mostrou correta, que esse movimento da RUMO era uma forma de pressão política para prorrogar o contrato de concessão. 

Há época, embora a comissão de moradores, especialmente o Paulo (Cano), estivesse muito atuante e incansável na resolução do problema, não havia a união e a participação massiva de moradores e lideranças que há hoje. E essa era uma situação que precisaria ser revertida rapidamente. 

  • Em 17 de Janeiro, o Paulo e eu tivemos uma audiência com a Presidente da Câmara, Paula Facco. Naquela reunião começou o trabalho de pressão política para que o movimento tivesse o êxito que estamos assistindo. 

A partir dessa reunião se viu a necessidade de ter as associações de moradores junto, a importância de fazer barulho na mídia, externando o problema. Nessa audiência, inclusive, por iniciativa da Dra Paula, que levou para conhecimento do deputado Perondi toda documentação sobre a situação dos moradores e fez com ele acelerasse o trabalho e fosse mais a fundo na questão. 

  • Não lembro ao certo a data, mas acredito que entre o final de dezembro e inicio do ano, em um programa do Fala Cidade, da Bia Pereira, sugeri para a vereadora Luirce que fosse criada uma Comissão na Câmara de Vereadores, para centralizar essas demandas, no qual a vereadora compreendendo a questão, tendo o seu partido, o PR, no Ministério dos Transportes, poderia ser um bom canal de interlocução. 
  • No dia 2 de abril, solicitei uma agenda para que o Deputado Onyx Lorenzoni viesse para Cruz Alta tratar da questão da beira-trilho. 
Domingos Cunha, Sec. Geral do DEM e assessor do Dep. Onyx
  • Em 27 de abril tivemos uma reunião com 50 moradores no Salão Nobre da Câmara, na qual o deputado se comprometeu em fazer uma Audiência Pública na Comissão de Viação e Transportes da Câmara Federal, em Brasília. 
Reunião no Salão Nobre da C6amara de Vereadores
  • Dia 16 de maio, menos de um mês após a reunião, o deputado Onyx já havia solicitado o seu ingresso na Comissão de Viação e Transportes e protocolado o requerimento solicitando a audiência pública. 
Item 04 da pauta
  • 19 de junho, ou seja, em menos de dois meses após a reunião com os moradores em Cruz Alta, mais um importante passo para a resolução do conflito será dado, que é a Audiência Pública na Câmara Federal. 
Convocação para Audiência Pública

Manifestação e Considerações Finais 

Faço esse relato com muito orgulho, pois não tenho cargo, não sou pago por nenhum político e, há época que comecei a participar do movimento, nem pré-candidato eu era, nem filiado ao DEM eu estava, muito menos era presidente municipal do partido. Fiz por entender e acreditar que poderia contribuir com a minha cidade. 

Vejam, trouxe nesse relato o nome e a importante participação de diversos agentes políticos, pois, se queremos resolver as questões do nosso estado e do município, precisamos saber honrar quem trabalhou e esteve sempre presente para a solução dos conflitos. 

Estarei dia 19 de junho em Brasília, na Câmara Federal, à convite do Deputado Onyx Lorenzoni para acompanhar mais um desdobramento do assunto. Acredito que voltaremos para o Rio Grande do Sul com um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) assinado pela RUMO, com compromissos para o presente e futuro, na resolução definitiva desse conflito. 


José Westphalen Neto. 



Comentários