Governador, privatizar não basta!



O parlamento gaúcho aprovou a privatização das deficitárias e ineficientes CEEE, CRM e Sulgás. É uma avanço para o nosso mofado Estado, ainda preso ao getulismo autoritário e ao caudilhismo de Brizola.  

Interessante pensar que o brasileiro aprendeu a protestar e até mesmo clamar por reformas complicadas, como a da previdência e por privatizações. Porém, talvez por algum trauma geracional, não aprendeu a protestar contra os abusivos impostos. Acredito que deva ter algo a ver com 21 de abril e o bravo Tiradentes, que protestou por um percentual de impostos muito menor que pagamos hoje, e acabou executado e esquartejado. 

Privatizar estatais deficitárias, inchadas e desnecessárias ao controle estatal é uma medida importante, mas sozinha não basta. 

No nosso estado, no governo passado e mantido pelo atual, elevou a alíquota base da regra geral do ICMS, passando de 17% para 18%, e a alíquota majorada, de 25% para 30%. Além dessa mudança, o governo implantou o "AMPARA/RS", que é um percentual extra de 2% em cima de alguns produtos (difícil entender o nome, deveria ser "Desampara/RS").

Com essa medida, três itens essenciais para produzir emprego, renda e manter as famílias gaúchas, como: gasolina, telefone e energia elétrica tiveram aumentos absurdos. Ou seja, o trabalhador precisa produzir mais, trabalhar mais, apertar mais o cinto para poder manter o já combalido poder de compra. 

O governo não satisfeito em ferir de morte as empresas, quem trabalha e produz, também matou o descanso e o lazer do trabalhador. A cervejinha do domingo, possui 27% de ICMS, o cigarrinho também. A TV por assinatura possui uma alíquota de 14%. 

Vamos falar a verdade: as pessoas tomam cerveja, fumam cigarro e assistem televisão para relaxar depois de uma semana estressante. Contudo, graças ao abusivo ICMS, estão fazendo isso bem menos, ou pior, trocando por bebidas de baixa qualidade, mais fortes e mais baratas e por cigarros contrabandeados, que conseguem ser ainda piores para a saúde que os nacionais. 

Resumindo, uma medida que serviria para arrecadar mais, faz com que se arrecade menos! 

O governo gaúcho se comporta como um agente do crime, pois sua política de altos impostos promove o tráfico e o contrabando, espanta investimentos, renda e traz miséria social. Já passou da hora do gaúcho ir às ruas contra os impostos abusivos. 

Privatizar não basta, é preciso um "novo Tiradentes". 



José Henrique Westphalen
Cientista Político, Mestre em Comunicação

Comentários